Força Divina

Força Divina
31-05-1949

 

” A Santíssima virgem presenteou-nos uns aos outros. Queremos permanecer reciprocamente fiéis ao outro, com o outro, para o outro, no coração de Deus. (…) Eu não quero ser apenas um sinal no percurso. Não! Vamos um com o outro. E isso por toda a eternidade. (…) e então, permanecendo um no outro e com o outro, contemplaremos a nossa querida Mãe e a Santíssima Trindade.”

 

A Epístola Perlonga

Padre Kentenich, após deixar o Campo de Concentração, queria expandir a Obra de Schoenstatt para além da Diocese de Treves. A bênção da Igreja era necessária para que esta missão se realizasse. Um debate eclesial surge sobre as “idéias especiais” de Schoenstatt, tais como:  vinculação local, Aliança de Amor, Capital de Graças e fé na missão de Schoenstatt. O Bispado de Treves levaria estas “questões” à Roma, e Padre Kentenich contra argumenta sem que aconteça uma concordância  de pensamentos. Passam-se anos em debate, até que em fevereiro de 1949, o Bispo de Treves decide realizar uma Visitação Canônica à Obra. O resultado foi favorável à Schoenstatt, mas incluía algumas objeções e reservas, e em abril de 1949, padre Kentenich recebe o relatório escrito que o convidava a tomar conhecimento e posição a respeito. Ele atendeu ao convite do bispo, e começou a escrever uma resposta em Nueva Helvecia, Uruguai. Era um Tratado, a Epístola Per Longa, que envolvia toda a problemática do pensar mecanicista, ponto obscuro que necessitava de atenção e solução, pois para o nosso Pai e Fundador, este era “o Bacilo” do homem e da sociedade ocidental. Parte deste Tratado foi escrito também no Brasil, em Santa Maria e Londrina. Como sabia do potencial “destruidor”  que este tratado poderia acarretar à Obra, antes de enviá-lo ao Bispo de Treves, coloca-o  sobre o altar de Bellavista, Chile. Este ato de confiança e entrega, que aconteceu em 31 de maio de 1949, representa a força divina que brota da Aliança de Amor.

O relatório de abril, interpretava também que a Família de Schoenstatt possuía uma dependência do Fundador fora do limite razoável, e trazia como solução o seu afastamento. Então, em 1951, uma visitação de Roma, sugere que o Nosso Pai e Fundador afaste-se “espontaneamente” da Obra, sendo que se o afastamento tivesse que ser decretado, isto impossibilitaria uma futura reintegração à Obra.

Padre Kentenich não se separou espontaneamente da Obra, mas foi separado por Roma, que por decreto designa  a Casa dos Palotinos em Milwaukee, nos Estados Unidos,  como sua moradia. Assim começa seu exílio, em 20 de junho de 1952.

 

 

Adicionar Comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *